TRE-DF realiza a segunda etapa de eleições do Programa Jovem Eleitor

Programa tem como objetivo incentivar a juventude ao alistamento eleitoral e ao voto consciente.

Foto de eleição simulada na Semana do Jovem eleitor no DF

Nesta quinta-feira (9), ocorreu a segunda etapa das eleições do Programa Jovem Eleitor, que possui como objetivo incentivar a juventude ao alistamento eleitoral e ao voto consciente. A eleição aconteceu das 8h às 17h, em 29 seções de votação. Nessa etapa, votaram os alunos do módulo “Anos finais”, que abrange do 6.º ao 9.º ano do Ensino Fundamental.

Vinte e três escolas do Distrito Federal se inscreveram, nas quais 8.162 alunos receberam um título de eleitor fictício e puderam votar nas urnas eletrônicas. Os partidos políticos são propostos aos estudantes e possuem como temas questões sociais, como saúde, liberdade, segurança pública e educação. Durante o processo, os alunos optam por temas e candidatos, realizam debates, propõem propagandas eleitorais e têm a possibilidade de conhecer o processo eleitoral.

Responsável por coordenar o programa no Colégio VIP, a orientadora educacional Rosane Rodrigues falou sobre a importância da iniciativa: “Eu percebo que, quando eles têm uma dimensão de como funciona o sistema eleitoral e de como deve ser a atuação, além da parcela de responsabilidade deles como cidadãos, os conceitos mudam.”

Entusiasmada com o projeto, a orientadora pediu para que o seu aluno João Vitor Alves Bittencourt (11), do 6° ano, contasse sobre a experiência: “É um projeto muito especial, muito bom, muito legal. Ele ajuda no desenvolvimento da votação.” O aluno contou que o grupo dele foi responsável por trabalhar o tema da agressão doméstica e disse: “Com isso, eu aprendi como a mulher pode sair da agressão doméstica, o que a mulher deve fazer e como ela deve reagir.”

 
No Colégio Soma, localizado no Cruzeiro, Hissa Furtado Neves (13), aluna  do 8° ano, falou sobre a experiência de trabalhar como Mesária: “É interessante pra mim, porque eu nem sabia como funcionava a eleição. Nos debates ocorridos antes da votação,  eu aprendi muita coisa que eu não sabia. Agora meu pai faz perguntas sobre o tema e eu sei responder. É inspirador para mim.”


A orientadora educacional do Colégio Soma, Olga Cavalcante, destacou o papel do projeto para a formação dos estudantes: “Ensina o aluno a exercer a cidadania desde cedo e a votar nos representantes em que eles acreditam.”

Jeane Navarro, orientadora educacional do CEF 04, da Asa Sul, ficou emocionada e chorou ao falar do projeto: “Eu acho que é realizar um sonho. Na verdade, a gente queria que isso acontecesse em todos os anos e que pudéssemos aproveitar a estrutura para eleição de turma, de grêmio escolar, porque é um exercício, eles estão aprendendo a votar. Tem aluno que sai daqui pulando de alegria. Então, para eles é uma coisa tão especial que emociona a gente”.

Ainda no CEF 04, entrevistamos o aluno Leonardo Barros (11), do 6° ano, que foi candidato nas eleições e contou como foi a experiência “Foi muito bom, só que deu um pouquinho de constrangimento na hora que eu fui falar nas salas.” Ele relatou suas propostas de campanha: “Era melhorar a vida e a saúde dos alunos. Eu ia fazer isso melhorando o lanche, contribuindo com as pessoas, pintando a cerca e deixando as pessoas com mais diversão.”

Ao falar sobre o desenvolvimento dos alunos e esse constrangimento inicial, Glória Braga, coordenadora pedagógica do Centro de Ensino Vargem Bonita, frisou: “A gente vê quando surgem as lideranças, porque, para ser político, em primeiro lugar, você precisa saber falar e não pode ter vergonha. Eles tiveram muita dificuldade no início, porque todos tinham vergonha. Então eles tiveram que falar na sala de aula sobre as propostas e os partidos. Além de discursar no pátio para todos os alunos e participar de debates. Então a gente percebeu que realmente tem futuro.”

No CED Vargem Bonita, a estudante Ana Clara Alves (16), presidente de seção, falou sobre o papel do projeto para a cidadania: “É importante porque, como eles já estão votando aqui, quando eles estiverem maiores, vão escolher um presidente bom e mudar o futuro do nosso país.”

Ao visitar as instalações da Escola Vargem Bonita, o Secretário da Escola Judiciária Eleitoral do Distrito Federal, Ronaldo Franco, falou sobre a relevância de os jovens conhecerem o sistema: “Vocês podem melhorar o crédito da política participando de forma ativa do processo político.” Ao conceder entrevista para a TV Brasil, Ronaldo ressaltou a necessidade de ensinar o processo desde a infância: “A partir do momento em que eles conhecem o processo eleitoral brasileiro, eles podem auxiliar, inclusive, na própria casa deles, na família. E a gente percebe que, ao conhecer, eles mudam a maneira de encarar a política.”


Últimas notícias postadas

Recentes